um respiro

ei, escuta: tá tudo bem se o seu ritmo de hoje não for o mesmo que o de ontem.

tá tudo bem, mesmo.

tá tudo bem se hoje você não conseguir fazer todos os tópicos do seu planejamento, tá tudo bem se você deixar pra amanhã algo impossível de ser resolvido agora, tá tudo bem se você amenizar o seu tempo e aproveitar as entrelinhas. tá tudo bem em escrever o que, muitas vezes, a gente não consegue ver.


tudo
bem.

de vez em quando, a gente só precisa desacelerar. e tá tudo bem em desacelerar. a vida pede que a gente siga um ritmo, mas ele não precisa ser o mesmo de sempre, entende? não vem com uma instrução. e, pra falar a verdade, quase nada vem. então, meu bem, escuta: tá tudo bem se, com responsabilidade, tudo o que você precisa neste instante é deixar algo pra depois.

às vezes, é o que a gente necessita pra continuar.

e a gente foca tanto em cuidar da pele e do corpo, enfim, que esquece de cuidar da mente – que é essencial pra qualquer ritmo que desejamos ter. entender o que a nossa mente precisa também é autocuidado. tá tudo bem se, no segundo em que você me lê, tudo o que você deseja é parar.

de novo, pra você lembrar:
tá tudo bem em parar, relaxar, descansar.

com o passar das horas, tudo se torna mais fácil, tudo se torna mais bonito.

por isso, te digo: tira um tempo pra você, vive o seu ritmo da forma que você tá sentindo que precisa, bebe uma água pra se acalmar e acolhe o seu abraço pra você entender: o seu ritmo pode não ser o ritmo do mundo. você é capaz de produzir no seu descanso, também.

tá tudo bem em se permitir respirar.

foca nisso, tá?

amor, cacá