simplesmente é

ei, você,

que tá me lendo agora, que me olha do jeito que olham os curiosos, que me desperta da maneira que se desperta o tempo,

eu preciso de você.

eu preciso do seu calor que aparece pra te guiar, eu preciso da sua sombra que te acolhe pra te fazer entender, eu preciso da sua energia que, ao lado da minha, é capaz de mudar o mundo.

eu preciso do seu mundo.

eu preciso que você me fale o que tá se passando nessa mente que viaja e que volta e que viaja de novo, enfim, eu preciso que você me conte das suas loucuras, que me confie seus segredos, que me desmonte por inteira ao me observar.

eu preciso que você me observe, que você me compreenda, que você me diga suas dores pra gente poder curar cada uma em poesia. eu preciso da sua poesia, do seu aconchego, do seu amor.

eu preciso do seu amor.

sei que pode parecer estranho, sei que a probabilidade de você não ter entendido é alta, sei que às vezes não dá pra dizer e fazer nada do que eu pedi… mas eu também sei que dessas reticências saem coisas lindas, saem momentos recheados de doçura, saem os instantes que você esconde com medo de ser você. e não dá, né? não dá mais pra manifestar esse medo, não dá mais pra não entender: eu preciso de você.

que eu preciso de pessoas é verdade, esta foi uma das maiores certezas deste ano desafiador que hoje nos encontramos, só que, além de toda a gente que há no universo, eu te digo agora que preciso, repito novamente, falo a quantidade que for preciso pra que eu te ajude, pra que eu te acolha, pra que eu te abrace.

nosso abraço diz o que a gente nem sabia que queria dizer. de vez em quando, é dele que a gente precisa.

e eu, hoje e sempre, preciso de você.

que o meu precisar te abrace como o seu abraço favorito, pra que você nunca se esqueça do que tá aqui, pra que você sempre se lembre do que tá aí, pra que, a cada espaço de tempo, você entenda que o meu mundo mais o seu dá forma, sim. 

este poderia ser um texto tradicional de motivação, mas não é.

é real.

é querido.

simplesmente é.

(como você)

mentaliza, tá?

amor, cacá