a primeira última vez

qual foi a última vez que você se olhou com compaixão, com coragem, com a certeza de que você é capaz?

qual foi a última vez que você enxugou as suas lágrimas, se debruçou em meio ao desconhecido, se permitiu ser e viver um mundo de oportunidades nunca antes visto?

qual foi a última vez que você superou suas expectativas, que você ouviu o seu coração, que você não deixou o lado negativo da mente falar mais alto do que toda a sua história?

qual foi a última vez que você usou o seu maior medo como impulso, não como impedimento?

é que, às vezes, a gente se impede de arriscar. e aí a gente entra num limbo profundo, a gente acolhe as nossas incertezas sem prestar atenção nas nossas alegrias, a gente deixa de lado a nossa maior virtude pra confiar em um sentimento irreal, intolerante, cruel. a gente é cruel com a gente. e a gente se paralisa sem nem pensar nas consequências.

digo consequências porque, pra mim, quando a gente se apavora pelo o que não podemos controlar, a gente não racionaliza que esse ato pode trazer muitos outros receios, muitas outras formas de desistir sem nem tentar. a gente, mesmo que inconscientemente, entra numa cíclica onda de frustração que, com o passar do tempo, só se agrava do lado de dentro. e que pena, né? que pena.

é uma pena que a gente deixe o medo nos vencer, é uma pena que a gente permita que o medo nos trave, é uma pena que a gente não use o medo ao nosso favor.

dá pra gente andar “com medo mesmo”, como falam por aí, dá pra gente fazer, do nosso maior medo, a nossa maior fonte de coragem, dá pra gente ter coragem de simplesmente ir, só ir, e continuar caminhando em busca do que faz o nosso coração vibrar.

é bom demais entender que a gente pode, que a gente consegue, que a gente é capaz de superar todas as nossas angústias, todas as nossas frustrações, tudo aquilo que nos trava e nos impede de continuar.

você não precisa abandonar todos os seus medos pra ter a coragem de acreditar em si. você só precisa acreditar.

por isso, te faço mais uma pergunta:

qual foi a última vez que você acreditou em você?

não esquece:

sua superação nunca deixou se ser.

confia no seu poder.

amor, cacá