mulher

ser mulher é andar por aí com medo de ser estuprada, é caminhar no meio da rua porque, se acontecer alguma coisa, na calçada corre o risco de ninguém ver.

ser mulher é ouvir todos os dias que você tem que se comportar, e se comportar de verdade, viu, porque, se você não sentar de pernas fechadas, se você falar palavrão, se você beijar muitas bocas ou fazer muito sexo, se você não for mocinha, se você não for feminina, se você for você, daí, nenhum homem vai te querer.

ser mulher é entender que muitas vezes só uma outra mulher há de te entender, é saber que não dá pra confiar em todo mundo, é se entristecer quando um amigo seu chega e usa seu psicológico contra você.

ser mulher é ser assediada, todos os dias assediada, tendo seu orgulho ferido, tendo seu corpo e sua alma corrompidos por alguém que acha que tem esse direito. ser mulher é ter seu direito tirado, é não ter livre escolha do corpo, é ter que ouvir da sociedade o que ela deve fazer com o próprio filho. é ir a um bar com a sua amiga, pedir uma cerveja e ter que “provar” que, sim, mulher bebe cerveja. ser mulher é tentar provar o que quase ninguém vê.

ser mulher é ser violentada, tanto física quanto psicologicamente, e, ao denunciar, escutar de alguém: e as provas? cadê?

ser mulher é não ter provas da violência porque o cara a assediou verbalmente, porque o cara já bateu nela tantas, mas tantas vezes que, às vezes, a marca da dor se confunde com a de um corpo em luta constante.

ser mulher é ter provas do violência e ter medo de denunciar por ameaça, ser mulher é ter provas da violência, ter coragem de denunciar e chegar na delegacia e ver que ninguém está ao seu lado. ela tem que provar com o corpo. pra sociedade, ser mulher é ser objeto.

ser mulher é ser objetificada, é escutar que existem “coisas de mulher”, é não poder mostrar sua vida porque, ah, mulher tem que ser reservada, mulher tem que se preservar, mulher tem que se guardar. ser mulher é chorar, e chorar muito, por não aguentar mais viver na sociedade machista, por não aguentar mais ouvir tantos e tantos comentários sobre si, por não aguentar mais ser o que a maioria diz que ela é.

ser mulher é ter medo de pegar ônibus, taxi, uber e afins, é ter medo de caminhar sozinha. ser mulher é, às vezes, ter medo de ficar sozinha; porque, né, onde já se viu uma mulher sair de roupa curta sozinha pela cidade? ser mulher é ter medo, muito, mas também é resistência. ser mulher é resistência.

ser mulher é escutar que a sua luta não é válida, que o assédio que sofreu era brincadeira, que a vida que leva é “mimimi” e, mesmo assim, continuar. ser mulher é continuar todos os dias com a esperança de mudança, ser mulher é mudar, e mudar sempre, pra ajudar outras mulheres, pra ajudar o mundo a entender que ser mulher é, sobretudo, força. ser mulher é força.

ser mulher é ouvir que o feminismo é besteira, que é só mais uma coisa “de mulher”, que é só mais um movimento pra colocar a mulher contra o homem. ser mulher é ter que explicar que, se não fosse o feminismo, ela não estaria aqui. ser mulher é estar.

ser mulher é mostrar que o feminismo é liberdade, liberdade pra ser quem quiser, liberdade pra fazer o que quiser; é querer ou não se depilar, é ter a escolha de qual roupa usar; é agir em prol do coletivo, é saber que o coletivo está aqui pra te fazer sorrir; é sorrir ao ganhar uma causa, é causar ao ver o desrespeito que a sociedade tem com a gente; é lutar por respeito, por união, por direito; é mostrar o peito pra gritar pro mundo que o corpo é nosso, e só nosso, e, além da gente poder fazer o que a gente quiser com ele, ele não pode e não deve ser sensualizado, sexualizado, estuprado. a culpa nunca é da mulher.

ser mulher é ouvir que não pode sair tarde da noite porque há quem pense que ela pediu pra ser estuprada. ninguém pede pra ser estuprada, ninguém merece ser estuprada. ser mulher é encontrar no feminismo um ar pra respirar diante do machismo, do assédio, da violência, da morte. ser mulher é, pela sociedade, morrer.

ser mulher é ter a sua vida tirada por alguém que não consegue entender um não, ser mulher é dizer não, não, não, NÃO!, e não ser ouvida. muitos homens só respeitam homens. ser mulher é ter que fingir um namorado pra ser respeitada, é estar com a sua namorada e ouvir: sério que vocês são lésbicas? posso participar?

ser mulher é implorar pra deixarem pra lá, é implorar pro cara sair de perto, é implorar pela sua voz. ser mulher é querer que escutem sua voz, ser mulher é lutar pela sua voz, ser mulher é lutar.

ser mulher é renascer no dia a dia, ser mulher é ter seu dia destruído por alguém que não quis somar, só se aproveitar. ser mulher é saber que há muita coisa pra mudar, mas que ela pode, e vai, conquistar o universo. ser mulher é ser o universo.

ser mulher é ser poesia, é ser o arco-íris mais bonito, é ser toda a cor do mundo; é sorrir com esperança, é abraçar as causas e lutar por respeito; é querer, e querer muito, mais e mais empatia, mais e mais dias de liberdade, mais e mais liberdade. ser mulher é escrever tudo isso e, ainda assim, acreditar.

ser mulher é acreditar.

a gente acredita, a gente sonha, a gente consegue.

a gente existe além.

ser mulher
é nunca
deixar
de
ser

amor,
Caca

3 comments

Add Yours

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s