livro: meu sonho me contou

“meu sonho me contou” é um livro de céu azul, mar que te chama pra entrar, vida que te anima a viver.

mas, também, é um conto de imperfeições, de erros que não consegui resolver, de publicações minhas, sim, e universais.

é um momento nosso, sabe?

um momento pra entender o que se passa aí e aqui dentro, pra sentir os passos do coração, pra perceber que, antes de mergulhar no oceano, a gente precisa mergulhar na gente. e sempre.

minha escrita ficou do jeito que me veio pra que a gente saiba que até mesmo a perfeição pode cometer falhas. e tudo bem, né? tudo bem. a gente veste tanta máscara que não nos cabe, tanta roupa que não nos pertence, tantos momentos que não são nossos que, dessa vez, eu decidi fazer diferente. e continuo.

continuo porque é sobre isso, é sobre o dia a dia, sobre a rotina que nos toca e nos abraça e nos liberta. é sobre liberdade, sobre não se preocupar tanto assim com o externo, sobre confiar em si e, enfim, escrever. eu escrevo pra me libertar, como digo sempre, e, nesse sonho, eu escrevo pra remar.

deixa remar,

deixa remar,

deixa remar…

💙

que você reme em busca do que faz o seu coração vibrar. e que você jamais se esqueça de quem você é, que você jamais se esqueça do seu sorriso, que você jamais se esqueça da razão de ter começado. você tá aqui. e isso é muito.

obrigada por me ler, me entender, me abraçar. espero que o meu sonho te abrace como um abraço meu.

tá preparada(o/e) pra se encontrar?

amor, sempre, amor, cacá ♡

*vá ao site da amazon (www.amazon.com.br), digite “meu sonho me contou”, compre o livro, baixe o aplicativo “kindle” e seja feliz <3*

caminhos, estradas, capítulos

de vez em quando, me pego pensando na palavra “recomeçar”.

do meu oráculo, tirei a carta “gratidão”, o que, pra mim, faz total sentido com recomeços.

é que todas as vezes que penso em recomeçar me sinto extremamente grata por tudo o que já vivi. me pego pensando em todas as fases que passei pra chegar até aqui, em todas as pessoas que encontrei, em todos os amores e desamores que compartilhei. às vezes, faz-se necessário continuar. e isso nem sempre quer dizer que não foi bom, nem sempre quer dizer que não há escolha, nem sempre quer dizer que terminar algum caminho significa fechar a tal da porta; pra mim, é uma nova estrada que se constrói. e mais, muito mais.

digo que é mais porque a gente nem sempre tem todas as respostas, sabe todas as palavras, encontra todos os dizeres nas possibilidades. e são muitas, né? são muitas. então, por que temos que já saber o amanhã? por que precisamos, ao concretizar o fim, já estabelecer e entender tudo o que está por vir?

costumo falar e agora repito, num tom de solidariedade, de uma forma que te acalme, que te entenda, que te abrace: se permita sentir. e se permita não saber. a gente não precisa ter todos os passos traçados, neste instante; a vida acontece e, muitas vezes, nos vira de cabeça pra baixo, nos tira do eixo, nos faz recomeçar.

e, se não fosse por esse recomeço, o que seria da nossa gratidão? não digo que é certo, só que a gente tem a mania de só agradecer quando algo decide dar um ponto final. vem, daí, a relação dessas duas palavras que, com magia, me abraçam em poesia.

tento diariamente agradecer por tudo o que já tenho, assim como manifesto diariamente o que desejo ter – no futuro, talvez, mas principalmente no presente. o agora é tudo o que temos. e recomeçar é, sobretudo, viver o hoje com toda a esperança que um dia sonhamos em acreditar.

de vez em quando, me pego pensando na palavra “recomeçar”. e acho que sua magia tá nas pequenas coisas, nos sinais diários, nos avisos que o universo nos dá pra seguir em frente. a gente pode, a todo segundo, iniciar algo novo. e isso é muito, é incrível, é infinito.

que você acredite que pode, sempre, e que você jamais duvide do seu poder. que a gratidão te acompanhe durante todo o processo e que, com a coragem que já há aí dentro, você recomece, tendo em mente tudo o que passou, sim, e, essencialmente, confiando que já conquistou todos os sonhos do seu coração.

nenhum caminho termina pra nos paralisar. escrevo, portanto, um aviso: todo capítulo é uma nova forma de se encontrar.

pegue o lápis, sinta a sua gratidão e, num caderno ou no que você quiser, manifeste o seu sonho, que todo dia te conta tanta coisa que, ao abrir o olhar, entendemos, enfim:

é seguro (re)começar.

amor, cacá 💛

sobre coragem

hoje eu tô aqui pra falar de coragem.

e eu num tô falando daquela coisa de sempre ser forte, de seguir sem pensar nas consequências, de guerrear, interna e externamente, a todo momento, não. eu tô falando de amor.

uma vez me falaram que coragem é agir com o coração. e é isso, né? é isso. coragem é agir com o que há de mais puro na gente, é seguir a nossa intuição, é manifestar o que nos faz vibrar, o que nos faz crescer, o que nos faz amar. e, vai, me diz: o que há de novo pra amar senão esse nosso órgão que todos os dias nos pede um pouco mais de atenção? precisamos valorizar o que já existe dentro da gente. e, se a gente não cuidar do nosso interior, ninguém mais vai.

escrevo isso enquanto escuto uma playlist que fiz pra acalmar meu coração. escrevo enquanto tomo um café quentinho, preparado por agora, e coloco um filme que amo pra assistir. escrevo enquanto me abraço nos pequenos detalhes, enquanto me permito fazer uma máscara pra relaxar, enquanto busco uma meditação pra me entender. escrevo enquanto me olho no espelho e percebo toda a imensidão que há aqui dentro, escrevo enquanto me olho no espelho e sorrio pro que vejo, escrevo enquanto me olho no espelho e sinto coragem. isso é amor. e a gente precisa cultivar o próprio.

coragem, eu te digo agora, coragem pra seguir, pra tentar, pra lutar. coragem pra se amar, daí, e perceber as infinitas possibilidades de tudo o que é, do que já existe pra te confortar, do que já faz parte de você e, de coração, só basta olhar.

então, eu quero propor um exercício. quero que a gente se olhe no espelho e sinta coragem de ser quem a gente é; porque, se isso não acontecer, do que adianta continuar? do que adianta mergulhar em estradas e mais estradas por aí se a gente não compreender a nossa alma?

tenha coragem de ser quem você é. sinta o seu coração pulsar, sinta a sua vibração se manifestar, sinta o seu poder de se encantar – com a vida, com os instantes, com o seu amor.

sinta-se abraçado e abraçada, enfim, e fique firme, beba uma água, se dê uma chance, se cuide, se entenda, se ame. você é corajoso e corajosa demais pra ser deixado e deixada pra trás.

coragem, sempre, coragem, tá?

amor, cacá

conexão

hoje eu tive um dia esquisito.

e tudo bem, porque todo mundo tem. nem sempre a gente vai pensar positivo e nem sempre a gente vai tá disposto(a) a fazer as coisas, a levantar e se exercitar, a meditar e agradecer. às vezes a gente só vai querer ficar na cama, trabalhar o necessário, fazer o pouco e, ainda assim, fazer muito. dias e dias, né? dias e dias.

nesses dias em que a ansiedade fala mais alto, acho importante a gente fortalecer o autocuidado, colocar uma música pra acalmar, assistir ao nosso filme preferido, ver aquela série que nos faz sorrir, comer algo saudável pra que a gente se sinta completo(a), amado(a), feliz.

nesses dias esquisitos, acho importante a gente fortalecer a parte de dentro. e, muitas vezes, essa força vem do nosso lado fora, vem do respeito que a gente tem pela gente, vem da nossa vontade de permanecer quieto(a) e continuar. é que nem sempre a gente vai conseguir falar, nem sempre a gente vai conseguir expressar, nem sempre a gente vai conseguir fazer o outro entender o que a gente tá sentindo; porque, é claro, nem sempre a gente vai saber. em alguns dias, é legal pensar que não saber é a maior sabedoria, é importante olhar pro nosso mundo e evitar ver algumas notícias, é essencial se conectar com o nosso coração.

por isso, antes de ajudar alguém, você precisa se ajudar. você precisa se entender, se perceber, se aconselhar, se cuidar, se amar. e sempre.

hoje eu tive um dia esquisito. e acho importante compartilhar esses momentos, também. até mesmo as pessoas mais positivas têm seus dias ruins, viu? não se compara, não faz isso com você. a comparação gera uma ideia mentirosa de que devemos ser quem a gente não é. você é perfeito(a) do seu jeito, e isso é lindo, é único, é tudo o que você pode querer.

foca no seu corpo, na sua mente, na sua vida. foca em melhorar por você, pra que todos os dias você entenda o que tá acontecendo, pra que todos os dias, mesmo nos mais esquisitos, você possa agradecer pela sua existência, pra que todos os dias você possa respeitar os seus instantes, dos mais silenciosos aos mais barulhentos.

você importa.

obrigada por ter chegado até aqui.

sinta-se abraçado(a), tá?

amor, cacá 💛

de nós

o meu coração tá dizendo pra você olhar pro seu.

acredita, confia, se entrega. se entrega pro que você não tá querendo enxergar, se entrega pro momento que você não tá querendo acessar, se entrega pra possibilidade que você não tá querendo entender. se entrega pra você.

abre o olho, mentaliza, confia. confia na sua intuição, confia na sua maneira de ver o mundo, confia no mundo pra, então, confiar que dá, que a vida vai melhorar, que esta é só mais uma fase que você deve passar pra encontrar a sua imensidão. confia na arte dos encontros, dos desencontros, das conversas. e conversa, sabe, conversa com você, se questiona, se percebe, se atualiza.

se atualiza dos seus sentimentos pra depois, em um momento mais exato, racionalizar o que eles querem te dizer pra você continuar, caminhar, lutar. e luta, luta muito, luta pela sua mente, pela sua alma, pelo seu coração.

do meu pro seu: olha pra dentro. te garanto que vai ser mais fácil, te garanto que, assim, você vai se entregar pra todas as repostas que já são, que já existem, que já tão aí, internamente, e basta você acreditar.

amor, cacá 💛

transformação

eu desejo que você continue.

mesmo que seja desafiador, que o mundo diga o contrário, que a vida te apresente provas pra você desistir. eu desejo que você continue.

desejo que você faça do óbvio um momento de reflexão, que você acredite nos seus pensamentos, que você olhe pro lado e veja a imensidão que há pra você sorrir. eu desejo que você sorria, e sorria muito, sempre sabendo como e onde, sempre percebendo o motivo certo e bonito do seu sorriso.

eu desejo que você aprenda com as adversidades dos instantes, que você escute a dança dos segundos, que você fale, pras mudanças do tempo, que você tá aqui pra tentar, pra conseguir, pra vencer. eu desejo que você vença esse medo que tá aí dentro do seu peito, desejo que você o use pra ir além, desejo que você vá além com sabedoria, com coragem, com amor.

e, como sempre te digo, eu desejo que você ame, e ame de verdade, ame cada etapa que te fez chegar até aqui, ame cada etapa que já é e está por vir, ame cada infinito que te fez alcançar a dádiva que é existir.

eu desejo que você continue. e que, a todo minuto, você se lembre de quem você é, você se lembre por que começou.

das transformações da vida, da pureza do fogo, do renascimento das cinzas: eu desejo que você continue. e que, todos os dias, você agradeça por ser, pura e simplesmente, você.

obrigada por continuar.

amor, cacá

imensidão

aos poucos a gente vai deletando aquela memória que é nossa e não pertence mais a lugar nenhum.

aos poucos a gente vai esquecendo do que não faz mais parte, do que não mais completa os nossos dias de ócio, do que não preenche mais os nossos momentos de solidão.

aos poucos, e aqui eu falo de pouquinho em pouquinho mesmo, a gente vai deixando as coisas brotarem, circularem, evaporarem. o ar leva o que a água deixa ir, e talvez essa seja a razão mais bonita da terra libertar algumas raízes pro sol queimar. a natureza tá ao nosso lado e, aos poucos, ela mostra o seu abraço.

aos poucos a gente vai vivendo e entendendo que tudo acontece por um motivo, que o vento que bate na nossa pele é consequência de todo o esforço que o universo faz pra nos lembrar que dá. e dá, meu bem, sempre dá.

às vezes, quando a ansiedade chega, a gente deixa o pouco de lado pra pensar no muito, no eu-quero-agora. e aí a gente pensa tanto que, nos espaços de tempo, a gente esquece de aproveitar os instantes, as árvores, a vida. e, aos poucos, a gente torna isso rotina, deixando que a falta e o excesso se tornem prioridade. acredito que, de pouco em pouco e com a ajuda necessária, a gente vai entendendo como o nosso corpo funciona pra, todos os dias, a gente fazer, da nossa alma, um lugar bom pra voltar, continuar, ficar.

a gente permanece porque a gente acredita que consegue, só que a gente se esquece. mas, de pedaço em pedaço, libertando as memórias que aqui não mais pertencem, a gente vai lembrando de celebrar os minutos e, essencialmente, a gente.

aos poucos a gente vai se lembrando de viver a gente. e que bom, né? que bom.

eu espero que você se celebre sempre. e que, quando você achar que precisa de mais, você se lembre do que você já tem. porque você já possui o que precisa.

e, aos poucos, você vai entender que não te falta nada quando se já é tudo.

memoriza isso, tá?

amor, cacá

novembro

eu num sei muito bem o que te falar, novembro, só sei que, de você, eu espero cura.

e aqui eu não falo pra você curar todas as dores do mundo, não, eu falo pra você desacelerar pra perceber, desafiar pra colher, mergulhar pra entender, enfim.

eu espero que você amplie a mente das pessoas e que ilumine cada coração existente. espero que a gente caminhe junto, que você me mostre o passo certo a seguir, que a sua ajuda mais a minha faça, do mundo, um lugar melhor. eu espero que o mundo se torne melhor, mesmo, e que, a cada segundo, a gente entenda mais e mais o que é estar aqui; porque é lindo demais estar aqui, novembro, e, por mais que a gente se esqueça, é necessário lembrar. e eu espero que a gente lembre sempre da razão que faz tudo acontecer, que faz tudo brilhar, que faz tudo existir: o amor.

o amor que pulsa, que vibra, que sonha. o amor que acontece em todo lugar, em todo universo, em todos os planos. o amor que faz a gente gritar, viver, contemplar, o amor que faz a gente entender, falar, escrever, o amor que faz a gente conversar, multiplicar, transbordar, o amor que faz a gente se curar, daí. e mais, muito mais.

eu espero que você nos ajude a perceber o nosso amor. e que, por meio dele, a gente acredite, a gente consiga, a gente faça acontecer. e que a cura, essa coisa bonita, venha pra nos lembrar que dá, que dá pra sorrir depois de chorar, que dá pra renascer depois de ver a última pétala de flor cair. nossa cura vem de dentro.

e eu espero, novembro, que você, apesar de tudo, não se esqueça de, também, se amar pra se curar.

 pode contar comigo, tá?

amor, cacá

um sinal

talvez você esteja precisando ler isto aqui, eu não sei, só sei que senti um chamado pra dizer: calma. vai passar.

pode parecer difícil agora e você pode achar que a dor nunca vai sair de dentro do seu peito, mas, ó, paciência. ela vai embora, tenta acreditar.

tenta ser mais paciente com você, com os seus processos de cura, com o que vem e vai e, às vezes, não cicatriza. tenta ouvir as suas cicatrizes, tenta entender o que elas têm a dizer, tenta acolher os aprendizados que elas trazem e que tão em você. tenta acreditar no tempo, na dança do relógio, nos instantes que batem, que ficam, que são infinitos. tenta acreditar no seu infinito, daí, pra você perceber que não importa onde e quando, o que importa é que vai acontecer. e você precisa confiar, mesmo. confia!

olha, eu não sei muito bem por que tô falando tudo isso, só sei que você precisa confiar em você. e você sabe que precisa arriscar, também.

então, vai, arrisca! vai lá, coloca aquela roupa que você gosta, toma aquele café gostoso, sente a sua energia pra viver mais um dia. e vive, vive muito, vive sempre.

vai naquele lugar que você tanto quer ir, curte aquela música que você tanto gosta, insiste em aproveitar a sua companhia. porque a sua companhia é linda demais pra ser deixada pra trás; e, se a gente não aproveitar, quem é que vai?

coragem, meu bem, coragem! e calma, paciência, tranquilidade. tudo vai acontecer no tempo que tiver que acontecer e, por mais que isso te cause ansiedade, é só mais uma lembrança de que as coisas tão fluindo, tão existindo, tão indo. e a gente continua aqui, caminhando, com a certeza do nosso propósito, com a coragem que a gente precisa pra enfrentar todos os problemas com força, paz e harmonia.

tenta sentir a sua harmonia. e aí deixa levar, deixa ir, deixa viver. deixa ser você! e seja, né? seja você, sempre, a cada segundo mais.

você vai perceber que, na verdade, não importa tanto o final, e sim a estrada, o caminho, o processo. cada passo, cada sorriso, cada cura. é tudo o que existe agora. e é este o sinal, esse aqui que falo neste instante, que você tava esperando pra seguir. pode ir. já tá dando certo.

segue! vai fundo! acredita! se agarra na sua esperança, faz desse momento o seu sustento, se cria na sua luz. e brilha, brilha muito, brilha sempre, brilha, brilha, brilha.

você é capaz de brilhar em todo lugar. calma, tá?

amor, cacá

playlist

coloquei o fone, encarei mais uma hora de estrada e me deixei levar pelas palavras que saltavam da melodia e que em mim faziam poesia. eu senti.

senti a rima da canção ou, talvez, senti o que o cantor escreveu ao rimar. é que a gente nunca sabe ao certo o que é da gente ou o que é do outro ao se deixar levar pela música, mas, ainda assim, eu senti. e percebi que muita gente deixa pra lá essa coisa de se entregar pro instante, pro agora, pro presente. e nisso eu me incluo, viu, porque, se tem uma coisa que eu não consigo resolver depois do segundo que bate e que fica, essa coisa é ansiedade. mas, enfim, isso é papo pra outro texto.

falando em papo, sinto que bati uns papos com as estrofes que ouvi, com as notas que pesquei, com a letra que, ali, me tocou. sinto que fui além, além daqui, e trouxe pro meu momento uma percepção de liberdade, quase a mesma que eu sinto ao escrever. e foi aí que eu entendi. eu tava vivendo aquele instante, profunda e intensamente aquele instante, e nada poderia me tirar dali.

cantei, dancei, me esforcei pra me entregar por inteira a um minuto que era meu, só meu. porque a gente tem a mania de não viver os nossos minutos, e dessa vez eu quis. eu quis dançar sem me importar com o que as pessoas iriam achar naquele vagão apertado, eu quis cantar sem som pra entender melhor a razão das coisas, eu quis viver o presente pra sentir o meu agora. e eu consegui. e foi tão lindo… a gente deixa de viver muita coisa ao não se permitir. e eu me permiti sentir, eu me permiti ser livre das amarras que colocam pra gente seguir.

eu vivi.

a liberdade está nas pequenezas da vida que a gente, muitas vezes, só entende quando deixa passar. e a gente não precisa deixar passar. a liberdade acontece agora, enquanto escrevo esse texto, a liberdade acontece agora, enquanto você me lê. a liberdade é o que a gente ganha ao sentir. e eu, que sempre senti um tanto, te digo que de tanto em tanto a gente sente o mundo e percebe que, às vezes, a vida é só uma questão de perspectiva.

a vida é uma questão de perspectiva. e eu espero, de coração, que você escolha bem pra onde e como vai direcionar o seu olhar.

amor, cacá